Praça da CEMIG, CONTAGEM. Ao Vivo! [Portal VozdoCLIENTE]

Praça da CEMIG, CONTAGEM. Ao Vivo! Portal TV NMR




Do site/canal TVNoMeiodaRua - Moro mesmo no meio da rua TV NMR:
No meio do OCTÁGONO da Cidade Industrial em Contagem está a Praça da CEMIG. Outrora uma praça mesmo hoje mais uma rotatória gigante perfurada no meio. Aproveitei a oportunidade para testar som, imagem e transmissão ao vivo.

Excelente comentário histórico (bem estilo linha do tempo) citado pelo internauta "Edgard Daniel Utsch" :

Muito bom! O áudio não ficou ruim. É assim mesmo! Intenso, vibrante, barulho, movimento! Eu gosto da Praça Antônio Mourão Guimarães, a "Praça da Cemig". Isso aí é riqueza, movimento, cerca de 1/7 da economia brasileira passam por aí, seguindo do sul em direção ao nordeste, ao Espírito Santo, do Rio à Brasília, ao Triângulo Mineiro, do Centro-Oeste para o Rio, para Vitória, de São Paulo para o meio-norte... É uma fração considerável.

Essa praça faz parte de uma história que envolve Belo Horizonte, Contagem, Cidade Industrial e Pampulha. Envolve troca, ao mesmo tempo desenvolvimento de região e remonta aos anos 1940, mais especificamente 1941.

Benedito Valadares era o (governador e interventor) político de Minas Gerais, Juscelino Kubitschek, prefeito de Belo Horizonte, decidiram pensar e criar bases em um empreendimento inovador, a primeira Cidade Industrial do Brasil, nos moldes de distrito industrial, planejado, desenhado - Cidade Industrial Juventino Dias (industrial cimenteiro, fundador da Cauê).

Ao mesmo tempo, preservar Belo Horizonte, na época se pensava nela uma cidade-jardim. Por isso, a grande arborização que os "administradores" atuais mal entendem. Para tanto, desmembrou essa região, exatamente, do hexágono, parte do bairro Amazonas, parte do bairro Jardim Industrial, Vila Itaú, parte do bairro JK, parte do bairro Eldorado, e a Vila São Paulo que eram áreas pertencentes a Belo Horizonte para compor o município de Contagem.

A permuta foi a região da Pampulha. Lá temos, parte do bairro Santa Terezinha (3/4), Urca, Saramenha, Serrano, parte do bairro Bandeirantes (1/4), Céu Azul, Itamarati, Graças, Trevo e Jardim Atlântico, que pertenciam a Contagem, entretanto a Lagoa da Pampulha deveria ficar dentro dos limites territoriais de Belo Horizonte. A metragem igual. Ninguém ficou no prejuízo.

A Cidade Industrial de Contagem elevou o nome dessa cidade, a ser conhecido nacional e internacionalmente. E enriqueceu o município. É hoje um dos maiores PIB'S do Estado e um dos maiores do Brasil.

Os contagenses gratos decidiram homenagear Juscelino Kubitschek denominando a principal avenida de Contagem, com o nome de seu pai, João César de Oliveira.

O linhão que abastece a Subestação-Receptora da Cemig é outra história.

Foi criado a partir da ligação da Usina de Gafanhoto, em Divinópolis, criada para abastecer a Cidade Industrial de Contagem. Logo após, com Juscelino, Governador de Minas Gerais e a criação da Cemig, iniciaram os trabalhos de construção da Usina vizinha, Cajurú, para reforçar o abastecimento. A economia crescia e a demanda pro energia veio também.

Surgiu Três Marias para abastecer Brasília e Goiás, e reforçar abastecimento. Logo depois, veio o reforço do linhão de transmissão de Furnas, inaugurado em 10/09/1960. A seguir, com tudo isso, veio o suprimento de Itaipu, sendo também transmitido por esta grande empresa - patrimônio brasileiro. Hoje, a Subestação-Receptora da Cemig não somente atende a Cidade Industrial, mas também a toda Região Metropolitana e cidades vizinhas.

O prédio triste

Aquele prédio (fechado e triste) na porção sul da praça, era o Banco Bandeirantes. Foi comprado pelo Unibanco, que depois se juntou ao Itaú. Onde o Itaú está hoje, ao lado da Reauto era o Banco Nacional. E a Reauto chegou ali logo após sair do Barro Preto, em 1982. A Reauto era na Rua Uberaba esquina com Avenida Barbacena.

É muita história...


Vídeos recomendados:

Curta, comente e publique direto no Facebook

Mais lidas últimos 30 dias