´O mar e a poluição vão destruir a estrutura da Ponte Polcevera (Morandi)´ - escreveu o engenheiro que criou a ponte apenas 12 anos depois e alertou para o risco dela cair Link Externo




Do jornal Fato Cotidiano (ilfattoquotidiano.it):

Apenas 12 anos após a inauguração, em um relatório sobre a estrutura, o designer falou de "fenômenos de agressão de origem química" e de "perda de resistência superficial do concreto".

Os efeitos da salinidade e poluição se manifestaram no viaduto da Polcevera desde os anos seguintes à construção. Foi o mesmo Riccardo Morandi - projetista da ponte da rodovia que desabou no dia 14 de agosto em Gênova - para lançar, em 12 anos desde a inauguração de sua criação, um "alarme de corrosão" de concreto.

Mais cedo ou mais tarde

"Penso que, mais cedo ou mais tarde, e talvez já em poucos anos, será necessário recorrer a um tratamento para a remoção de todos os vestígios de ferrugem sobre os reforços expostas, com injecções de resinas epoxi, onde necessário, para, em seguida cobrirem todos com elastómeros de resistência extremamente elevada a químicos "escreveu o engenheiro em um estudo datado de 1979, intitulado "o comportamento de longo prazo dos viadutos sujeitas a tráfego pesado localizado em um ambiente hostil: o viaduto sobre a Polcevera, em Gênova"..

"A estrutura - escreve Morandi - é atacada por ventos marítimos (o mar é um quilômetro) que são canalizados para o vale atravessado pelo viaduto. Isso cria uma atmosfera de alta salinidade e mais maléfica pois em seu caminho antes de chegar à ponte, se mistura com a fumaça das chaminés de aço (a antiga fábrica Ilva, ed) e é altamente saturado com vapores nocivos".

Perda da resistência já está em andamento

"As superfícies externas das estruturas - sinaliza - mas especialmente aquelas expostas ao mar e portanto mais diretamente atacadas pelos vapores ácidos das chaminés, passam a mostrar fenômenos de agressão de origem química".

Em resumo, uma "perda de resistência superficial do concreto" já está em andamento.

Morandi, escreve o jornal, também menciona um conjunto de "placas" que não foi bem especificado na época - talvez por se tratar de um artigo - que "foram literalmente corroídos em pouco mais de cinco anos", em seguida, em 1972, e "teve de ser substituído, juntamente com processos bastante complicadas, com elementos de aço inoxidável ".

O engenheiro conclui insistindo na necessidade de proteger "a superfície do concreto, aumentar sua resistência química e mecânica à abrasão".

A ponte caiu em 14 de 2018, matando quase 40 pessoas, ferindo outras dezenas e ainda deixando mais de 600 pessoas desabrigadas.



Imagens do jornal fattoquotidiano mostram um exemplo de exposição e desgaste trágico e visível na superfície das colunas



Curta, comente e publique direto no Facebook

Mais lidas últimos 30 dias


Vídeos do Portal

Promoções







Mais ofertas!