Preparados: Chile reage em tempo recorde ao terremoto
Preparados: Chile reage em tempo recorde ao terremoto
pos: Preparados: Chile reage em tempo recorde ao terremoto -- [Portal VozdoCLIENTE]

Preparados: Chile reage em tempo recorde ao terremoto -- Portal VozdoCLIENTE


Crianças em uma cidade inundada após tremor e ondas do mar. (Foto: El mundo)



Por: CÉSAR G. CALERO, Buenos Aires, Jornal El Mundo.

Acostumado a viver em um dos países mais sísmicos do mundo, os chilenos reagiram maneira completamente disciplinada antes do forte terremoto que atingiu ontem à tarde nas regiões centro e norte do país. Um milhão de pessoas fugiram de suas casas em um piscar de olhos e isso impediu uma tragédia maior, como reconheceu o presidente Michelle Bachelet: "Os moradores evacuaram muito rapidamente, uma grande resposta do povo."

O tremor agitou as entranhas do Chile durante vários minutos na quarta-feira em e foi listado como a maior intensidade registrada este ano em todo o mundo. Com seus 8,4 graus na escala Richter, o terremoto, com epicentro na região costeira de Coquimbo, 170 quilômetros ao norte de Valparaíso, que causou pelo menos onze mortos e mais de 600 feridos. No entanto, a reação das autoridades responsáveis ​​pela protecção civil e os próprios cidadãos conseguiram reduzir os danos humanos e fez esquecer os erros de 2010, quando 525 pessoas morreram em um terremoto de 8,8 graus, embora naquela ocasião a energia liberada foi cinco vezes maior.

"Atenção, atenção, a população deve evacuar para a zona de segurança". O sistema de alerta para tsunamis e gestão de obras no Chile funcionou como um relógio quando a Agência Nacional de Emergência (ONEMI) emitiu o alerta.

Chile tem uma rede de 90 sirenes na faixa litoral do país e um sistema de alertas de telefone móveis. Redes sociais também são usadas.

A grande maioria dos habitantes do litoral das regiões centro e norte do país buscou um refúgio temporário em áreas de mais de 30 metros acima do nível do mar. Quando o Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Marinha (Shoa) foi gradualmente levantando os alertas de tsunami (ativada em primeiro lugar para toda a costa do Pacífico), os moradores de Coquimbo Tongoy, Illapel, Salamanca, Conco e outros locais foram informados e retornando para suas casas.

O dano foi grave nessas cidades, que também apontaram 130 tremores secundários em 24 horas.
Serviço de energia elétrica foi interrompido em várias regiões e ainda afeta cerca de 90.000 pessoas, enquanto 9.000 continuam sem água potável.

O presidente do país, Bachelet, foi para Coquimbo para ver com seus próprios olhos como o mar tinha destruído tudo porto local.

O terremoto eo tsunami deixaram pequena 169 casas destruídas, 175 inabitáveis ​​e 288 outros com danos menores, de acordo com o Ministério do Interior. As ondas afetaram principalmente as regiões de Coquimbo e Tongoy. O presidente então decidiu declarar o estado de calamidade em toda a região.

Com essa decisão é possível envolver a implantação do Exército para a reconstrução e acelerar que a ajuda humanitária possa chegar às vítimas mais rápido. Mas também responde à falta de segurança que muitos vizinhos relataram vítimas.

No comando da operação militar é geral Shafik Nazal Lázaro, que já enviou uma mensagem de tranquilidade para as pessoas:

"Existem alguns setores que estão sem luz e neste vamos intensificar a polícia de segurança e pessoal do exército", disse ele.


Curta, comente e publique direto no Facebook

Mais lidas últimos 30 dias