No idioma da bola [Portal VozdoCLIENTE]

No idioma da bola MG.SuperEsportes


Argentino Lucas Pratto e uruguaio De Arrascaeta foram as principais contratações de Atlético e Cruzeiro



Rivais ferrenhos em campo, Atlético e Cruzeiro seguiram o mesmo caminho para se reforçar de olho na temporada 2015: atravessaram fronteiras. Com três jogadores de fora do Brasil no Galo e nada menos que cinco na Raposa, nunca tantos estrangeiros atuaram conjuntamente na dupla mineira, em cujos centros de treinamentos a língua espanhola é o segundo idioma.

A expectativa das torcidas é de que, com muitos atletas falando espanhol e tendo a tradicional garra sul-americana, ambas as equipes consigam se sair bem em âmbito nacional e, principalmente, na Copa Libertadores, cuja fase de grupos começa na segunda quinzena. Algumas experiências mostram que a aposta é válida, ainda que a maioria dos estrangeiros tenha fracassado tanto usando o uniforme alvinegro quanto o celeste.

No Atlético, o colombiano Cárdenas, que chegou ontem, se junta aos argentinos Dátolo e Pratto. Apostar em atletas sul-americanos foi a saída da diretoria para qualificar ainda mais o grupo sem gastar tanto com salários e luvas.

Melhor jogador do último Campeonato Argentino, o atacante Lucas Pratto é um exemplo do perfil que o clube buscou: tem experiência em Libertadores (disputou as últimas três), finaliza bem e se encaixou na principal carência do time de Levir Culpi, um centroavante fixo. Além disso, o Galo conseguiu repor a saída de Diego Tardelli e até economizou na questão salarial, já que Pratto ganha cerca de R$ 250 mil mensais, inferior ao que recebia Tardelli (R$ 380 mil).

Já o interesse no armador Cárdenas, veloz, driblador e de bom arremate, começou na Libertadores do ano passado, quando o jogador ajudou a eliminar os mineiros atuando pelo Nacional de Medellín, da Colômbia.

Em grande fase com a camisa alvinegra, Dátolo já se tornou o estrangeiro com mais gols na história do clube: nove. Ele afirma que o Brasil se tornou uma vitrine interessante. “Há muitos bons jogadores de qualidade aqui, o que é importante para aprimorar nossa qualidade. Hoje em dia, o futebol brasileiro é mercado crescente. Daqui da América, é o Brasil quem mais exporta para a Europa e se torna um atrativo a mais para os atletas de outros países.”

Ao longo dos 107 anos de existência, o Atlético contou com 35 gringos. Poucos se destacaram. O mais lendário foi o goleiro uruguaio Mazurkiewicz, que disputou a Copa do Mundo de 1974 quando estava no alvinegro. Mas nenhum deles atuou tanto quanto o lateral Cincunegui: 194 vezes entre 1968 e 1973 – nesse período, esteve presente no único título brasileiro (1971) do Galo. A exemplo de Mazurkiewicz, o paraguaio Cáceres foi ao Mundial de 2010, na África do Sul, como jogador da equipe. Curiosamente, no maior título do clube, o da Libertadores de 2013, o grupo não contou com estrangeiros.

TIME GLOBAL Já no Cruzeiro, há não só sul-americanos – os chilenos Mena e Felipe Seymour, o uruguaio De Arrascaeta e o colombiano Riascos –, como também um africano, no caso o camaronês Joel.

Motivos para estar atento ao mercado internacional não faltam. “O futebol brasileiro é exportador, os jogadores que se destacam aqui acabam saindo. Com isso, o mercado nacional ficou muito restrito. E um jogador, para jogar no Cruzeiro, tem que ter um nível técnico muito bom. Então, se torna mais viável, há mais opções na Argentina, Uruguai, Bolívia, que têm uma certa tradição de bons valores”, justifica o técnico Marcelo Oliveira.

O último estrangeiro a se destacar com a camisa estrelada foi o argentino Montillo, atualmente no Shandong Luneng-CHI. Se ele não ganhou títulos expressivos, encantou os torcedores com dribles, passes e gols. No ano passado, o paraguaio Samudio foi contratado justamente pelo espírito guerreiro necessário na Libertadores, mas não conseguiu aproveitar as chances que teve e foi devolvido ao Libertad-PAR.

Isso não impediu a diretoria de buscar reforços de países vizinhos. Principalmente porque, desde o ano passado, a CBF ampliou de três para cinco o número de estrangeiros que podem ser escalados a cada jogo.

Em 2011, a Raposa chegou a escalar juntos os argentinos Montillo e Farías, o uruguaio Victorino e o paraguaio Ortigoza, em jogo válido justamente pela Libertadores. Antes dele, fizeram história no clube o zagueiro Perfumo, estrangeiro que mais atuou com a camisa celeste (141 partidas), e o lateral-esquerdo Sorín, ambos argentinos e que disputaram Copas do Mundo enquanto defendiam o Cruzeiro.

Na histórica campanha da Tríplice Coroa, em 2003, um estrangeiro se destacou: o atacante colombiano Aristizábal, que ajudou a Raposa a ser campeão mineiro, da Copa do Brasil e do Brasileiro. No mesmo ano, o volante chileno Maldonado também integrou o grupo campeão brasileiro.



Veja a reportagem na fonte.



Curta, comente e publique direto no Facebook

Mais lidas últimos 30 dias


Anúncios [1723 - desktop]






Vídeos do Portal

Promoções







Mais ofertas!