Mais partos normais e menos cesarianas na Rede SUS-BH [Portal VozdoCLIENTE]

Mais partos normais e menos cesarianas na Rede SUS-BH Prefeitura BH/MG


O alto índice de cesáreas em todo o Brasil motivou a Agência Nacional de Saúde (ANS) e Ministério da Saúde a criarem normas para reduzir o número de cesarianas desnecessárias na Rede Privada.



Na contramão do que vem acontecendo no resto do país, a Rede SUS-BH tem aumentado os números de partos normais em decorrência das boas práticas do parto, da prestação de serviço de melhor qualidade e da conscientização sobre a importância e vantagens do parto normal. A capital também está conseguindo reduzir a taxa de cesarianas realizadas na rede pública. Em 2011, a taxa era de 30,3% e, em 2014, dados parciais indicam a taxa de 29,3%, muito abaixo do índice nacional, que é de 40,0%. No setor privado, o desafio é maior, mas já aponta uma tendência à redução. Em 2011, a taxa no setor privado era de 78,5% de cesáreas, em 2014, o número parcial aponta para 72,8%.

O alto índice de cesáreas em todo o Brasil motivou a Agência Nacional de Saúde (ANS) e Ministério da Saúde a criarem normas para reduzir o número de cesarianas desnecessárias na Rede Privada. As regras ampliam acesso à informação pelas gestantes atendidas pelos planos de saúde, que poderão solicitar os percentuais de cirurgias cesáreas e de partos normais por estabelecimento de saúde e por médico.

O Movimento BH pelo Parto Normal, projeto da SMSA, tem conseguido ampliar seu espaço de atuação e firmar parcerias que buscam contribuir com a divulgação das boas práticas de atenção obstétrica e neonatal. Entre os parceiros estão ONG’s, instituições de ensino, maternidades públicas e privadas e operadoras de planos de saúde. Um passo importante dado em 2014 foi a assinatura do Termo de Cooperação Técnica entre a SMSA e o Ministério Público. O acordo reforça as estratégias para a atenção à saúde nas maternidades públicas e privadas no município, reduzindo as intervenções por doenças evitáveis. Além disso, com as novas diretrizes da ANS e do MP, as consumidoras de planos de saúde terão mais facilidade no acesso à informação e, por parte das operadoras, será necessário a apresentação de um relatório contendo as anotações do desenvolvimento do trabalho de parto, das condições maternas e fetais, dentre outras determinações.

A cesariana aumenta três vezes a chance de complicações na hora do parto, causando risco de vida para a mãe e para o bebê, por isso, o procedimento deve ser muito bem indicado, conforme explica a Coordenadora da Comissão Perinatal da SMSA, Sônia Lansky. “A técnica cirúrgica de retirada do feto do útero, é um grande avanço para a medicina e indiscutivelmente, quando bem indicado, salva vidas. Mas não pode ser a via preferencial de nascimento,é importante lembrar que como toda cirurgia oferece riscos e complicações e precisa de indicação criteriosa”, ressaltou.

Já o parto normal, é o processo natural do nascimento, pois ocorre apenas quando o bebê está pronto para nascer. Além dos benefícios fisiológicos, como a liberação de oxitocina da mãe, a preparação do leite materno e o aumento da imunidade da criança, o parto normal favorece no processo de afeição entre mãe e filho.



Veja a reportagem na fonte.



Curta, comente e publique direto no Facebook

Mais lidas últimos 30 dias