Árbitro relata arremesso de bombas das duas torcidas e clubes podem sofrer sanções do STJD [Portal VozdoCLIENTE]

Árbitro relata arremesso de bombas das duas torcidas e clubes podem sofrer sanções do STJD Link Externo


Súmula divulgada pelo árbitro carioca mensurou o arremesso de bombas das duas torcidas no Mineirão



O clássico entre Cruzeiro e Atlético no Mineirão pode ser um prato cheio para o Superior Tribunal de Justiça Desportiva. O árbitro Marcelo de Lima Henrique relatou na súmula que bombas foram atiradas na divisa entre as duas torcidas e os clubes podem sofrer sanções no Tribunal.

“Interrompi a partida aos 41 minutos do primeiro tempo, após ouvir estouros de artefatos explosivos que vinham da divisa das duas torcidas.Solicitei a administração do estádio e ao policiamento encarregado ,que tomassem as devidas providências para o prosseguimento da mesma, avisando no sistema de som e reforçando o policiamento na área de divisão das duas torcidas.Após as medidas, não houve mais nenhum incidente relacionado ao uso de artefatos explosivos, transcorrendo a partida normalmente. Ao final da partida fui informado pelo Sargento PM Bárcaro, comandante do policiamento interno do estádio, que os artefatos explosivos foram lançados pelas torcidas Galoucura, do Clube Atlético Mineiro, e Pavilhão Independente, do Cruzeiro Esporte Clube, uma contra a outra, não sabendo precisar quem iniciou o citado confronto”, relatou o árbitro. A versão da Minas Arena, concessionária do Mineirão e que tem acordo firmado com o Cruzeiro, é que os artefatos explosivos partiram apenas da torcida do Atlético. Ainda não há um comunicado oficial da Polícia Militar de Minas Gerais.

A tendência é que Cruzeiro e Atlético sejam denunciados pela Procuradoria do STJD e, se condenados, podem pegar ganchos e multa. Não é a primeira vez que as torcidas dos clubes se envolvem em atos de violência no clássico. Em 2012 houve arremesso de objetos durante um jogo no Independência e, no ano passado, uma bomba caiu na torcida alvinegra e a Raposa sofreu punição mais pesada (dois jogos). O Galo chegou a perder um mando de campo por não ter dado a devida segurança como mandante, na ocasião.

O fato de os suspeitos terem sido identificados ameniza os problemas do clássico deste domingo. Porém, para as pretensões de Cruzeiro e Atlético, a possível perda de mandos de campo pode significar prejuízo financeiro e técnico. A equipe celeste briga pelo título e, com a vitória por 3 a 2 no clássico, o Alvinegro se aproximou do G-4.



Veja a reportagem na fonte.



Curta, comente e publique direto no Facebook

Mais lidas últimos 30 dias


Anúncios [935 - desktop]



Vídeos do Portal

Promoções







Mais ofertas!